Foto: Pixabay

Desafio no Corcovado: calor e neblina no quarto dia

Redação Webventure/ Montanhismo

Rio de Janeiro – Nem a neblina de que cobriu toda a face sul do Corcovado no dia de ontem (30/03) desanimou os escaladores Alexandre Fitaroni e Hildson Santana, o “Hillo”.
Há quatro dias eles tentam chegar ao topo do principal cartão postal do Rio por uma rota
alternativa. “Pra gente a neblina é ótima porque refresca e torna o trabalho mais
agradável”, explicou Hillo. O dia foi considerado o mais quente do ano no Rio, fato que
também não incomodou a dupla: “Lá em cima sempre bate uma corrente de ar, além do
mais, nesta época do ano, a parede fica na sombra desde as oito horas da manhã”,
contou o alpinista.

Já foram conquistados 300 dos 500 metros de altitude do Corcovado. A partir de hoje,
Alexandre e Hillo devem passar a pernoitar pendurados na rocha. “Já deixamos um
portaledge montado lá em cima, mas ainda não estamos dormindo na rocha. Todo o dia
descemos para recarregar as baterias e dormir na cidade, mas amanhã (hoje) vamos
passar a noite na parede para facilitar o trabalho”, explicou Hillo. Para perfurar a rocha
tem sido utilizada uma furadeira de alto impacto, que funciona à base de baterias. Fora
isso, os alpinistas têm levado consigo morro acima mais de 300kg em equipamentos.

Ainda segundo Hillo, o momento mais difícil até agora foi na quarta cordada (cada uma
equivale a 50 metros conquistados de parede), onde tiveram de enfrentar um lance livre.
De maneira geral, a escalada tem sido bem tranqüila. O nível de dificuldade começa a
crescer hoje, quando a dupla atinge a segunda metade do big-wall do Corcovado.

A previsão ainda é chegar no monumento do Cristo Redendor (topo do Corcovado) neste
fim de semana. “A idéia é chegar até domingo, mas não dá para prever como vai ficar o
tempo daqui pra frente”, alerta Hillo.

Para quem mora no Rio é fácil acompanhar a escalada. Basta dar um pulo na orla da
Lagoa Rodrigo de Freitas junto ao Corcovado, próximo à saída do Túnel Rebouças. O
portaledge verde dos escaladores pode ser facilmente avistado no paredão de rocha,
assim como as cordas e bolsas para transporte de equipamentos. A Webventure vai
continuar acompanhando o desafio passo a passo.

Este texto foi escrito por: Gustavo Mansur

Last modified: março 31, 1999

Redação Webventure
Redação Webventure