Conheça todas as modalidades do mergulho livre

Você sabia que mergulho livre é um esporte? Veja quais são as diferenças das categorias e suas sub-divisões

No mergulho em apneia (ou mergulho livre), o praticante mantém o ar em seus pulmões durante a imersão sem o uso de aparelhos. Ou seja, há a suspensão voluntária da respiração para manter o fôlego durante o mergulho. Quanto maior o volume de ar inspirado, maior pode ser o tempo da apneia. O mergulho em apneia vem da prática recreativa de observar o fundo do mar através do uso de máscara de mergulho, respirador e nadadeiras. Elevado à categoria de esporte, o desafio é manter o fôlego para percorrer a maior distância, atingir a maior profundidade ou estabelecer o maior tempo possível submerso.

Em competições, a apneia é dividida em modalidades distintas. Conheça as diferenças das categorias e suas sub-divisões:

 

1. Apneia Estática

Foto: Thermchai/Fotolia

Foto: Thermchai/Fotolia

É aquela que o mergulhador fica o tempo que conseguir submerso ou flutuando nas águas, imóvel.

 

2. Apneia Dinâmica

Foto: aetb/Fotolia

Foto: aetb/Fotolia

Este tipo de mergulho é mais comum em brincadeiras e muito estimulado por alguns professores de natação para que seus alunos consigam ficar cada vez mais tempo submersos. Com ou sem ajuda de equipamentos, como pé de pato, a pessoa deve percorrer a maior distância possível submerso.

 

3. Apneia Sprint 25-50 m

Foto: SolisImages/Fotolia

Foto: SolisImages/Fotolia

Mantendo o folego, o mergulhador deve percorrer a distância, de 25 ou 50 m o mais rápido que conseguir. É uma modalidade nacional que pode ser competida: bi-palma e monopalma onde o participante tem ajuda de um pé de pato, no primeiro, e de uma “cauda” acoplada em seus pés, no segundo.

 

4. Lastro Constante

Foto: serg269/Fotolia

Foto: serg269/Fotolia

Essa modalidade costuma ser praticada em rios e lagos, já que precisa de grandes profundidades para acontecer. O mergulhador desde, com a ajuda de um cinto de lastro, que anula a flutuação da pessoa, sem usar o cabo guia. Neste caso, pode ser realizado com nadadeiras.

 

5. Lastro Constante sem Nadadeiras

Foto: Remains/Fotolia

Foto: Remains/Fotolia

Assim como no Lastro Constante, o mergulhador desde, com a ajuda de um cinto de lastro, que anula a flutuação da pessoa, sem usar o cabo guia. O diferencial desta prova é que neste caso não se pode utilizar ajuda de nadadeiras para a realização da prova.

 

6. Lastro Variável

Foto: serg269/Fotolia

Foto: serg269/Fotolia

Esta modalidade também é praticada em mar ou lagoas, por precisar de um local profundo, assim como as outras. O que diferencia esta das outras categorias é o modo como o mergulhador retorna à superfície. No Lastro Variável, o atleta desce com o cinto-lastro ligado ao cabo e na hora de voltar, deixa o lastro e nada até a superfície utilizando nadadeiras ou com auxílio do cabo.

 

7. Imersão Livre

Foto: whitcomberd/Fotolia

Foto: whitcomberd/Fotolia

Como o nome diz, não utiliza nenhum tipo de equipamento como nadadeiras ou lastro. O mergulhador utiliza apenas o cabo-guia para ir o mais fundo possível em lagos ou no mar.

 

8. No Limits

Foto: frenzelll/Fotolia

Foto: frenzelll/Fotolia

Esta é outra modalidade que vem do Lastro Variável, o que difere uma da outra é o maneira de se retornar a superfície. Por atingir grandes profundidades, o mergulhador precisa retornar mais rápido. O apneísta utiliza um balão ou colete inflável para voltar a superfície.

 

9. Skandalopetra

Foto: Leonardo D'Imporzano/Fotolia

Foto: Leonardo D’Imporzano/Pinterest

Last modified: março 17, 2017

Gabriel Gameiro
Gabriel Gameiro
Estudante de jornalismo, que caiu no mundo dos esportes por acidente e com o tempo aprendeu a amar. Gosta do que faz e apesar de ainda não ser um corredor ama fazer spinning e cobrir corridas.