Pôr do sol no Morro de São Francisco. Foto: arquivo pessoal

Cidade de Goiás: história, trekking e bike no coração do Brasil

Eduardo Andreassi/ Aventura brasil

Conhecida por ser a antiga capital de Goiás – daí os nomes “Goiás Velho”, “Goiás” ou mesmo “Cidade de Goiás” –, esse pedaço do Brasil esbanja histórias do século passado, boa gastronomia e cenários para esportes, como trekking e bike

Pôr do sol no Morro de São Francisco. Foto: arquivo pessoal

Pôr do sol no Morro de São Francisco. Foto: arquivo pessoal

A Cidade de Goiás é a antiga capital do estado de Goiás e que levava, antes, o nome de Vila Boa de Goiás. Desde 2001, é considerada Patrimônio Cultural da Humanidade, segundo a UNESCO, devido às suas construções do século passado, sua cultura e pelo que representou na história do Brasil.

Incrustada em um vale e rodeada por diversas Serras – Serra Dourada, Lages, Canta Galo e São Francisco – a cidade se impõe com seus casarões do século XVIII. Ela também se destaca pelo seu calçamento rústico – de pedras – e por ser clareada por lampiões. Essas características nos fazem sentir que estamos vivendo há alguns séculos atrás.

Além disso, a cidade é reduto de festivais, como o FICA (Festival Internacional de Cinema Ambiental), a Procissão do Fogaréu – uma das manifestações religiosas mais belas que acontecem na Cidade de Goiás – e suas doceiras, que perpetuam suas delícias passadas de gerações em gerações.

+ Gosta de participar de provas em cenários de tirar o fôlego? Inscreva-se para a Ultramaratona dos Perdidos!

Experimentar os famosos doces goianos e fazer uma visita à Casa de Cora Coralina – doceira e poetisa, a personagem mais marcante e uma mulher além do seu tempo – são passeios que não podem faltar. Para conhecer tudo isso, esqueça o carro e caminhe sem pressa pelos becos e ruas de pedra.

Trekking e bike no Morro de São Francisco

É possível explorar tranquilamente o Morro de São Francisco. A uma altitude de 700 metro, ele tem livre acesso e não necessita de acompanhamento de um guia. Ele tem trilha leve/moderada de terra batida e muito cascalho – uma extensão de aproximadamente 1 km, que podem ser feitos em 40 minutos de caminhada. As longas subidas e descidas são entre a vegetação típica de Cerrado. O cenário é semelhante ao de uma savana, com gramíneas, arbustos e árvores com caules retorcidos e raízes longas.

O maior desafio nesse caso é o clima: calor e a pouca umidade da cidade. Ele pode provocar falta de ar e cansaço.

É preciso ter cuidado com os cascalhos presentes na trilha, pois eles fazem com que as pessoas escorreguem com facilidade. Portanto, ande devagar e aprenda e descer e subir de lado, se necessitar.

No cume do morro, uma visão deslumbrante no final da tarde. Além de admirar a cidade vista do alto, um lindo pôr do sol.

É comum ver ciclistas subindo o morro e praticando mountain bike. Eles estão empurrando a bike ou sentados no selim ou, até mesmo, pedalando de pé. Todos os ciclistas equipados com roupas próprias; lanternas, capacetes e luvas.

Trekking e escalada

Explorando o Cânion da Carioquinha

Bem próximo ao centro, cerca de uma hora de caminhada por entre as ladeiras da cidade, inicia-se o caminho que dá acesso ao Cânion da Carioquinha.

Partindo da Praça do Coreto, são 2,5 km de caminhada. Já pelo início da Estrada Imperial, são 1.200 metros. O principal acesso para o Cânion da Carioca é pela Estrada Imperial, onde o turista conhecerá um pequeno trecho de uma das primeiras estradas construídas na primeira metade do séc. XVIII. Seu portão de entrada é justamente em um trecho da tão comentada via. Ao mesmo tempo em que é um dos menos conhecidos pontos históricos da Cidade de Goiás.

Trekking e refrescando-se na Cachoeira das Andorinhas

A sete quilômetros do centro histórico está a entrada para a Cachoeira das Andorinhas: uma bela queda, ideal para o banho.

A Cachoeira das Andorinhas tem aproximadamente 12 metros de altura, sendo 8 metros de queda livre. Partindo da Praça do Coreto são 8 km de distância até a portaria de acesso. Daí são mais 800 metros de caminhada.

Conheça e curta no Poço do Sucuri

Poço do Sucuri. Foto: arquivo pessoal

Poço do Sucuri. Foto: arquivo pessoal

O Santuário Poço do Sucuri é o balneário mais tranquilo com piscinas naturais e quedas d’água para quem gosta de curtir a natureza e comer uma boa comida caseira. Fica a 8 km da cidade de Goiás e está localizado no limite do Parque Estadual da Serra Dourada.

A Cidade de Goiás

História

Com a Independência do Brasil, em 1822, a Capitania de Goiás foi elevada à categoria de província. Porém, essa mudança não alterou a realidade socioeconômica de Goiás, que continuava vivendo um quadro de pobreza e isolamento. As mudanças que ocorreram foram apenas de ordem política e administrativa.

Antiga capital do estado que leva o mesmo nome, também conhecida por outros nomes, como Goiás Velho, surgiu com a corrida do ouro. Foi fundada em 1727 por Bartolomeu Bueno da Silva Filho, com o nome de Arraial de Sant’Anna. Tornou-se Vila Boa de Goiás, em 1739, em homenagem a Bartolomeu Bueno.

Clima

O clima é caracterizado por dois períodos distintos: um seco, com ausência quase que total de chuvas no inverno, que vai de maio a setembro; outro chuvoso, com abundância de águas, no verão que vai de outubro a abril. A temperatura média anual é de aproximadamente 23 graus, sendo os meses de setembro e outubro os mais quentes e junho e julho os mais frios.

Vegetação e Hidrografia

A vegetação típica de Goiás é a mesma do cerrado, ou seja, a vegetação da cidade em sua maior parte é semelhante à de savana, com gramíneas, arbustos e árvores esparsas. As árvores têm caules retorcidos e raízes longas, que permitem a absorção da água-disponível nos solos do cerrado abaixo de dois metros de profundidade mesmo durante a estação seca e úmida do inverno.

O município de Goiás é cortado pelo Rio Vermelho (afluente do rio Araguaia) e está situado na bacia do Tocantins-Araguaia, que compartilha a foz com o Rio Amazonas. Ele passa do lado da casa da poetisa Cora Coralina. Há também os rios Urú, do Peixe, Ferreira e Índio.

Comidas típicas

Quando bater a fome, o visitante pode experimentar as comidas regionais. Empadão goiano,  pamonha ou bolo de arroz, por exemplo, são encontrados na maioria dos estabelecimentos locais. O Mercado Central pode ser uma opção também. Lá, o turista encontra desde comida típica a lojinhas de artesanatos.

Os restaurantes chamam a atenção por suas características físicas. Boa parte são casas que funcionam como restaurantes. As mesas são colocadas nos cômodos e até mesmo no quintal.

Outra boa pedida é conhecer a Praça do Coreto, no centro de Goiás. No local, o turista pode experimentar os mais variados picolés e sorvetes produzidos em grande parte com frutas do cerrado goiano. Entre as opções, são oferecidos os sabores de murici, cajá, graviola, jabuticaba, cagaita e pitanga.

Tapiocas deliciosas e reconhecidas por sua qualidade e diversidade você encontrará na Tapioca do Cerrado.

Sua Saúde – atente-se a isso!

Seja o tipo de terreno que for, caminhar, fazer trekking, bike ou qualquer outro exercício, traz benefícios para nosso corpo e mente. Alguns são: controle de pressão, diabetes, melhora da circulação, deixar o pulmão mais eficiente, afastar a depressão, aumentar a sensação de bem-estar, proteger contra demência e ainda emagrecer.

Dicas para um bom trekking

  • Usar roupas leves e confortáveis e calçados apropriados;
  •  Leve boné e chapéu; 
  • Não jogue lixo nas ruas, trilhas e rios; 
  • Sempre carregue água consigo para hidratar. Leve água fresca e quando estiver nas cachoeiras reidrate seu corpo;
  • Leve uma câmera fotográfica para registro de belas imagens; 
  • Prefira carregar sua bagagem de caminhada em uma mochila, deixando suas mãos mais livres; 
  • Procure sempre um guia idôneo e indicado pela CAT de cada cidade;
  • Use protetor solar e repelente; 
  • Saiba desistir. Pode acontecer de o cansaço aparecer forte ou até o tempo virar. Não se arrisque. A primeira regra para iniciar na modalidade é respeitar os limites do corpo; 
  • Mantenha o seu ritmo sempre; 
  • Redobre a atenção onde pisa para evitar quedas;
  • Evite fazer trekking sozinho. Dê preferência a sair com pelo menos mais uma pessoa; 
  • A alimentação deve ser prática e fornecer energia para a atividade física. Barras de cereais, frutas e sanduíches leves (de preferência sem embutidos) são boas pedidas. Evite alimentos que possam dar sede, já que poderá não haverá água potável em abundância; 
  • Ainda que vá acompanhado de um guia (aconselho), estudar o roteiro antes de colocar os pés na trilha vai torná-lo mais confiante e preparado para as adversidades.

Locais de hospedagem, guias e mais informações

Consulte o CAT – Telefone (62) 3371-7713

Funcionamento de Segunda a Sexta das 8hrs às 18horas

Aos sábados das 9hrs às 18hrs e domingos das 9hrs às 13hrs.

Secretaria Municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico

E-mail: turismo@prefeituradegoias.go.gov.br /

Site: www.cidadeshistoricasgoias.com.br

Secretaria Municipal de Cultura – Fone: (062) 3371-7714

+ Confira mais provas com lindas paisagens para participar!

Last modified: maio 15, 2019

Eduardo Andreassi
Eduardo Andreassi
Jornalista e fotojornalista, trabalha também com Comunicação e Assessoria de Imprensa, sendo que parte do tempo trabalha no Brasil e outra na Itália, onde tem parceria com o Governo da Toscana. Trabalha com Fotografia/Jornalismo/Comunicação - desenvolve um trabalho sobre Turismo – regiões, parques, atrações, hotelaria, gastronomia local, festas populares e demais assuntos relacionados, praticando acervos fotográficos ou pautando, cobrindo e divulgando nos portais e jornais. Atualmente tem como parceiros as Lojas Mundo Terra