Foto: Pixabay

Morte súbita no esporte: o mito do atleta saudável

Redação Webventure/ Biking, Corrida de aventura, Montanhismo

Esforço de uma prova prova desencadear sintomas de doenças silenciosas (foto: Divulgação / Cape Epic)
Esforço de uma prova prova desencadear sintomas de doenças silenciosas (foto: Divulgação / Cape Epic)

Uma imagem muito associada aos esportistas é que são sempre pessoas saudáveis. Contudo, frequentemente aparecem notícias de atletas que morrem subitamente durante uma competição.

Os casos mais recentes aconteceram no futebol e na corrida de rua. Apesar de não ser frequente em esporte outdoor, nenhum atleta deve se sentir completamente seguro.

Esse tipo de fatalidade geralmente ocorre por conta das chamadas “doenças silenciosas”, que não manifestam sintomas aparentes, mas eventualmente podem levar à morte.

Segundo o doutor Clemar Corrêa da Silva, especialista em neurocirurgia e chefe de equipe médica em dezenas de provas de aventura, a morte súbita no esporte pode ter causas cárdicas ou neurológicas.

“Os problemas cardíacos mais comuns são arritmias e isquemias. No caso neurológico, o mais habitual é o sangramento que costuma ser causado por angiomas e aneurismas”, explica.

A arritmia é uma alteração no ritmo do batimento cardíaco, enquanto a isquemia é a falta de suprimento sanguíneo no tecido do próprio coração. Ambas podem ter diversas origens, como a má formação genética.

Essas doenças são consideradas silenciosas porque geralmente não apresentam sintomas, porém, durante um grande esforço físico se manifestam. Mesmo aqueles que não sentem nada durante os treinos podem ter algum problema, pois as competições exigem muito mais do corpo humano.

“Ao contrário do que muitos pensam, o atleta pode ter uma doença agravada pelo esporte”, afirma o médico. “Alguns preferem ignorar que têm um problema e outros nem sabem.”

No esporte de aventura, o cuidado com doenças silenciosas deve ser ainda maior. “Se um jogador de futebol tem um ataque cardíaco em campo, ele pode ser atendido na hora, mas com um corredor de aventura é muito mais difícil.”

Exames relativamente comuns podem detectar doenças que poderiam levar a morte, como ecocardiograma, sanguíneo ou teste ergométrico, mas qualquer uma dessas opções deve ser indicada pelo médico do atleta.

“Tem muita gente treinando, fazendo esforço físico e consequentemente gastando muito dinheiro em equipamentos e nutrição, mas não faz um check-up simples”, lembra. “Não se pode investir apenas no equipamento, o atletas deve investir em si mesmo e na prevenção”, completa o médico.

Este texto foi escrito por: Pedro Sibahi

Last modified: maio 25, 2012

Redação Webventure
Redação Webventure