Foto: Pixabay

Brasileiros na Patagônia: a melhor temporada dos últimos tempos

Redação Webventure/ Montanhismo

Álbum de fotos da escalada de Irivan Burda e Bonga (foto: Arquivo Irivan Burda)
Álbum de fotos da escalada de Irivan Burda e Bonga (foto: Arquivo Irivan Burda)

Os brasileiros fizeram bonito na última temporada de escalada na Patagônia, que está se encerrando. O cume do Cerro Fitz Roy a 3.405 metros de altitude, considerado um dos principais desafios mundial da alta montanha de rocha recebeu nada menos que 11 escaladores tupiniquins, fazendo dobrar o número de brasileiros que já conseguiram o feito. “Foi a melhor temporada de todos os tempos”, analisa o paranaense Ronaldo Franzen, o Nativo, um dos “comtemplados”.

Abrindo a porteira. A primeira dupla a alcançar o topo do Fitz foi a dos também paranaenses Irivan Gustavo Burda e Marcelo Santos Bonga, no dia 21 de janeiro. Eles subiram pela via Mate, Porro y Todo Lo Demás, na face oeste do Pilar Norte, também conhecido como Goretta. Essa rota é um 6ºc francês (7b brasileiro). A parte final foi pela Casarotto, um 7b brasileiro.

(Veja incrível imagem 360 graus que Irivan fez a partir do cume do Fitz Roy.)

Bonga e Nativo já tinha tentado juntos o cume em 2008, mas na ocasião foram impedidos de terminar por causa do mau tempo. Dessa vez, agora com Irivan, ele teve êxito, depois de 20 dias na montanha e uma empreitada frustrada pela repentina virada de tempo.

Na sequência. O mesmo trajeto foi repetido no mês seguinte pelo quarteto José Luis Hartman (Chiquinho), Ermínio Gianatti, Fabio Machado e Nativo. “A via é moderna não tem nenhuma proteção fixa e é toda em móvel, incluindo as paradas. Digamos assim, ela é mais limpa e ética”, explica Ermínio.

Sobre as dificuldades da subida, vale lembrar que foi nesta montanha que Bernardo Collares morreu na temporada de 2011. No último mês de janeiro, a canadense Carlyle Normam também perdeu a vida, atingida por uma pedra na subida de uma agulha vizinha. Para Nativo, o principal risco está nas pedras soltas, que têm na montanha inteira. Além disso ” como a via é quase virgem, falta orientação, e não há proteções fixas”, completa o escalador.

A terceira equipe a chegar ao cume do Fitz, no dia 23 de fevereiro, foi a de Eduardo Mazza (Formiga), Fabiano Quadros (Fafá), Cassiano Procópio (Chuck), Silvio Neto e Antônio Nery. Só que o quinteto optou pela Afanassief (um 7b brasileiro), chegando à final praticamente junto da equipe do Nativo.

E bem próximo dali. Já o também rochoso Cerro Torre, de 3.183 metros de altitude, recebeu a visita do gaúcho Ricardo Baltazar, o Rato, que escalou com um argentino, ainda usando os finados grampos fixos da Via do Compressor, arrancados dias depois por um canadense e um norte-americano, gerando polêmica entre os montanhistas.

Nativo ainda lembra que a Agulha Guillaumet (2.579 metros de altitude) recebeu cerca de 13 brasileiros, de diversos grupos, incluindo alguns escaladores que já tinham feito o Fitz Roy.

“Esta realmente foi uma temporada histórica em Chaltén [cidade-base na região]. Houve muitas janelas de bom tempo, controvérsias como a retirada dos grampos da Via do Compressor e perda de amigos escaladores”, diz Irivan.

“Dedicamos nossa expedição à memória da Robertinha [Nunes], do Bernardo “Cabeção” Collares e da Carlyle Normam, que tanto nos inspiraram a escalar essas montanhas”, completa.

Este texto foi escrito por: Pedro Sibahi

Last modified: março 20, 2012

Redação Webventure
Redação Webventure