A arena do evento foi montada na Praia do Perequê. Foto: Alexandre Janoti / KOPA.

Inovação marca o KOPA – The King of Paddle – em Ilhabela

Redação Webventure/ Aventura

O evento aconteceu nos dias 29 e 30 na Praia do Perequê

A arena do evento foi montada na Praia do Perequê. Foto: Alexandre Janoti / KOPA.

A arena do evento foi montada na Praia do Perequê. Foto: Alexandre Janoti / KOPA.

A edição 2018 do KOPA – The King of Paddle – agitou Ilhabela no último fim de semana (29 e 30 de setembro) com provas de Stand Up Paddle, Stand Up Paddle Foil, Canoa Polinésia, Paddleboard, Canoa Caiçara e Surfski. O evento foi marcado por inovações dentro e fora d´água e reuniu aproximadamente 500 atletas de 12 estados e 50 cidades do Brasil.
No sábado, um dos destaques foi a disputa do downwind para as modalidades OC1, V1, SUP Foil, e Surfski individual, esse último válido como etapa da Copa Brasil de Canoagem Oceânica. Os competidores embarcaram em uma escuna rumo a uma das extremidades do Canal de São Sebastião, enquanto os caiaques, pranchas e canoas foram acomodadas em uma balsa especialmente adaptada. As largadas aconteceram às 14h13 para o Surfski e SUP Foil e 15h13 para OC1 e V1 “ladeira abaixo” por 16 quilômetros rumo à Praia do Perequê, onde estava montada a arena do KOPA.
“Foi uma ideia totalmente inovadora, fizemos isso pela primeira vez no Brasil e acho que plantamos uma sementinha para deixar de legado para as próximas edições. Gostaria de agradecer ao Alessandro Matero, que teve a ideia, e ao Robson “Toco”, responsável pela balsa”, afirma Gustavo Nogueira, organizador do evento. “O vento ajudou, todo mundo se divertiu e o percurso ficou agradável para todos os competidores”, ressalta Alessandro Matero, diretor técnico das provas.
Os campeões foram Luiz Wagner Pecoraro e Rafaela Nascimento (Surfski – 1h20min31/ 1h32min46), Cadu Zaidan e Andressa Saboya Prado (OC1 – 1h26min30/ 1h41min31), Cauê Serra (V1 – 1h29min21). “Quem não gosta de remar com a maré e o vento empurrando? Essa foi sem dúvida a prova individual mais legal do ano, a organização está de parabéns”, afirma Andressa.
Na disputa do SUP Race, válida como terceira etapa do Campeonato Brasileiro da modalidade, Vinnicius Martins acumulou mais uma vitória na temporada após remar os 12 quilômetros do percurso de up e downwind e segue firme na liderança do ranking rumo ao título nacional. “As condições da remada estavam alucinantes e foi um dia incrível. Hoje tive um bom resultado, mas gosto de pensar em um passo de cada vez”, afirma o campeão, que marcou 1h09min10. Entre as mulheres,  a também líder do ranking, Lena Ribeiro, foi a grande campeã.
O Surfski individual serviu como etapa da Copa Brasil de Canoagem Oceânica. Foto: Alexandre Janoti/ KOPA.

O Surfski individual serviu como etapa da Copa Brasil de Canoagem Oceânica. Foto: Alexandre Janoti/ KOPA.

Ainda no sábado, aconteceram disputas acirradas na OC6 iniciante feminino, Master masculino e Super Master feminino e domingo foi a vez da OC6 Open masculina e feminina. A Base Alpha Ilhabela venceu em ambas as categorias iniciantes e na Open Masculina, enquanto a Vênus Va’a ficou com o título da Open Feminina. Sábado também aconteceu a disputa de Paddleboard 12 quilômetros, válida como seletiva para o Mundial da ISA, e a vitória ficou com Patrick Winkler.
Ainda no domingo, o KOPA teve disputas de Sufski duplo, com vitórias de Thiago Silva/ José Marcos Mendes na categoria Masculina, Larissa Oliveira/ Rafaela Nascimento na Feminina e Luiz Wagner Pecoraro/ Carmen Lucia da Silva na Mista. Durante o fim de semana ainda aconteceram disputas de Canoa Caiçara, SUP Kids e Júnior.
Fora da água as novidades também agitaram o evento, entre elas a demonstração de uma canoa caiçara sendo entalhada na hora durante a retirada de kits e a parceria com o “Meu Copo Eco”, empresa que forneceu copos retornáveis com o intuito de evitar o acúmulo de lixo gerado por copos descartáveis. O KOPA também foi a primeira competição oficial de SUP Foil no Brasil, modalidade em que a prancha literalmente decola por conta da quilha em formato de asa.
“Fomos ousados por colocarmos tantas novidades na edição 2018 do KOPA, em parceria com a Confederação Brasileira de Canoagem, a Confederação Brasileira de SUP e o downwind com a balsa. O balanço final é muito positivo, sempre temos ajustes a serem feitos, mas o retorno dos participantes foi ótimo. O KOPA voltou a ser um evento forte no cenário da canoagem e vamos continuar trabalhando para melhorar a qualidade nos próximos anos”, ressalta Gustavo Nogueira, responsável pela organização.

Last modified: outubro 3, 2018

Redação Webventure
Redação Webventure