Foto: Reprodução/Facebook

Perfil aventura: conheça Aron Ralston, o escalador que precisou amputar o próprio braço

Aron Lee Ralston nasceu em 27 de outubro de 1975, é um empresário, engenheiro mecânico e escalador conhecido por ter sobrevivido a um acidente enquanto escalava no sudeste de Utah, em 2003, durante o qual amputou seu próprio antebraço direito com um canivete, para se livrar de uma pedra em que ficou presso no Blue John Canyon, por cinco dias.

Depois que se libertou, teve que atravessar o restante do cânion, descer por um penhasco de 20 metros para encontrar alguém para ajudá-lo. O incidente é documentado na autobiografia de Ralston, “Entre uma rocha e um lugar difícil” e é o tema do filme de 2010, “127 horas”, onde é retratado por James Franco.

Nasceu em Marion, Ohio e quando tinha 12 anos se mudou para Denver com sua família. Ralston deixou seu trabalho como engenheiro mecânico com a Intel em Phoenix, Arizona. Em 2002 mudou-se para Aspen, Colorado, para perseguir uma vida de escalar montanhas. Ele teve o objetivo de escalar todos o Fourteener, a mais alta montanha do Colorado – picos de mais de 4.270 m.

Em 2003, Ralston foi apanhado em uma avalanche de grau 5 em Resolution Peak, no Colorado, com seus parceiros de esqui Mark Beverly e Chadwick Spencer. Ninguém ficou gravemente ferido. Em agosto de 2009, Ralston se casou com Jessica Trusty. Seu primeiro filho nasceu em fevereiro de 2010.

Foto: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

Preso na montanha

No dia 26 de abril de 2003, ele caminhava sozinho através do Blue John Canyon, em Utah, ao sul da unidade Horseshoe Canyon do Parque Nacional Canyonlands. Ao descer uma fenda, um pedregulho suspenso caiu, a rocha esmagou sua mão esquerda e depois esmagou a direita contra a parede do cânion. Ralston não havia informado ninguém de seus planos de caminhada, nem tinha nenhuma forma de pedir ajuda. Supondo que morreria sem intervenção, passou cinco dias lentamente tomando sua pequena quantidade de água restante, aproximadamente 350 ml e comendo dois burritos, enquanto tentava libertar seu braço.

Ele não conseguiu soltar o braço da rocha de 360 kgs. Depois de três dias tentando levantar e quebrar a rocha, Ralston desidratado e delirante preparou-se para amputar seu braço direito preso em um ponto no antebraço médio para escapar. Depois de ter experimentado torniquetes e fazer alguns cortes superficiais exploratórios no antebraço, percebeu, no quarto dia, que, para se libertar, teria que cortar os ossos, mas as ferramentas disponíveis para ele eram insuficientes para fazê-lo, já que ele só tinha um canivete.

Depois de ficar sem comida e água no quinto dia, Ralston decidiu beber sua própria urina. Ele esculpiu seu nome, data de nascimento e data presumida de morte na parede do cânion de arenito e filmou uma despedida para sua família. Não esperava sobreviver a noite. Depois de acordar ao amanhecer no dia seguinte, descobriu que seu braço começara a se decompor devido à falta de circulação. Ralston teve uma epifania que ele poderia quebrar o seu osso usando torque contra o braço preso dele (movimento de alavanca).

O jornalista Clayton Conservani levou o escalador ao mesmo local em que ele ficou preso Foto: extremos

O jornalista Clayton Conservani levou o escalador ao mesmo local em que ele ficou preso Foto: extremos

Inscreva-se para a Meia Maratona de Joinville!

Ele fez isso, depois amputou o antebraço em cerca de uma hora, com seu canivete. Depois de se libertar, subiu para fora do local que estava preso e desceu cerca de 20 metros de rapel, em seguida, já estava fora do cânion. Estava a 13 km de seu veículo e não tinha telefone. No entanto, enquanto caminhava para fora do cânion, encontrou uma família de férias, Eric e Monique Meijer e seu filho Andy, que lhe deram comida, água e apressaram-se a alertar as autoridades. Ralston temeu que sangraria até a morte; ele perdeu 18 kg, incluindo 25% do seu volume sanguíneo.

Os socorristas que procuravam por ele, alertados por sua família que estava desaparecido, reduziram a pesquisa até Canyonlands e voaram de helicóptero. Ele foi resgatado quatro horas depois de amputar seu braço. Ralston disse mais tarde que, que se tivesse amputado o braço antes, teria sangrado até morrer antes de ser encontrado, enquanto que se não tivesse feito isso, teria sido encontrado morto no canyon dias mais tarde.

Sua mão cortada e antebraço foram recuperados de debaixo da rocha pelas autoridades do parque. De acordo com o apresentador de televisão Tom Brokaw, o trabalho precisou de 13 homens, um guincho e um macaco hidráulico para mover a rocha. Seu braço foi então cremado e as cinzas dadas a Ralston. Ele voltou à cena do acidente com Tom Brokaw e uma equipe de câmera seis meses depois, aos 28 anos de idade, para filmar um especial da Dateline NBC sobre o acidente no qual espalhou as cinzas de seu braço lá, onde segundo ele, deveriam ficar.

Foto do vídeo original filmado por Aron após sua primeira tentativa de amputação Foto: Reprodução/Youtube

Foto do vídeo original filmado por Aron após sua primeira tentativa de amputação Foto: Reprodução/Youtube

127 horas

O diretor de cinema britânico Danny Boyle dirigiu o filme 127 horas sobre o acidente de Ralston. A filmagem aconteceu em março e abril de 2010, com lançamento em Nova York e Los Angeles. O ator James Franco desempenhou o papel de Ralston e o filme recebeu ovações de pé tanto no Telluride Film Festival, quanto no Toronto International Film Festival. Alguns dos membros da audiência em Toronto desmaiaram durante a cena final da amputação.

O filme recebeu aclamação universal por críticos, 93% dos 197 críticos profissionais deram ao filme uma revisão positiva, com uma classificação média de 8,2 em 10. No 83º Prêmio da Academia em 2011, o filme foi nomeado para seis Oscars, incluindo o Melhor filme (ganhado por O Discurso do Rei) e Melhor Ator para Franco (ganhou por Colin Firth por seu papel em O Discurso do Rei).

O filme 127 Horas também foi nomeado nas categorias para Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Pontuação Original, Melhor Música Original e Melhor Edição. Da autenticidade das 127 Horas, Ralston disse que o filme é tão verdadeiramente preciso e o mais próximo de um documentário quanto você pode conseguir.

 

Last modified: janeiro 16, 2018

Gabriel Gameiro
Gabriel Gameiro
Estudante de jornalismo, que caiu no mundo dos esportes por acidente e com o tempo aprendeu a amar. Gosta do que faz e apesar de ainda não ser um corredor ama fazer spinning e cobrir corridas.