Foto: Pixabay

Enigmáticos desenhos fazem de Nazca a atração mais misteriosa do Peru

Redação Webventure/ Destino Aventura, Expedições, Fotos online

O Peru é um país repleto de encantos, monumentos e lendas, os andinos respiram a cultura de seus descendentes indígenas e a preservam com muita seriedade.

As famosas Linhas de Nazca, um dos maiores símbolos da preservação do país, são consideradas patrimônio mundial pela UNESCO desde 1994. Gigantes e quase sempre imperceptíveis para quem vê de perto, porém figuras indescritíveis para quem vê de cima. Esse mistério alimenta o turismo em torno da região de Nazca.

Desafie-se na Santa Marta Amazing Runs

Foto: Dom Crosslei/CC BY 2.0 Foto: Dom Crosslei/CC BY 2.0

Elas foram descobertas no ano de 1927, por um piloto que sobrevoava a região. Desde então, mais de 13 mil traços vieram à tona, formando mais de 800 figuras.

E isso não para por aí, o mais impressionante é o tamanho destes desenhos, alguns se estendem por mais de 60 quilômetros. A pergunta que não quer calar é: como os indígenas poderiam produzir imagens gigantescas, se não tinham como subir aos céus para vê-las?

Ninguém foi capaz de desvendar o real significado delas até hoje. O mistério gerou diversas teorias, entre elas a do escritor suíço Erich Von Daniken, que acredita que as imagens formam uma espécie de sinalização para pousos de alienígenas.

O debate aumentou quando o pesquisador Joe Nickell mostrou que criar desenhos como os de Nazca, é possível apenas com bastões de cerâmica, sem a necessidade de orientações de quem está no alto.

Foto: Corey Spruit/CC BY 2.0 Foto: Corey Spruit/CC BY 2.0

Um dos pontos mais desafiadores da viagem é esse, quebrar a cabeça e criar suas próprias teorias sobre como foram feitos os colossais desenhos.
Os passeios de avião são programados para cerca de cinco pessoas por vez, e podem ter de meia hora de duração, até um dia inteiro. Turistas partem de um aeroporto que fica a quatro quilômetros da cidade de Nazca.

Foto: Ilkerende/CC BY 2.0 Foto: Ilkerende/CC BY 2.0

As atrações não para por aí, uma série de pontos turísticos rodeiam as misteriosas linhas.

Aquedutos de Cantalloc

Nicolas Nova/CC BY 2.0 Nicolas Nova/CC BY 2.0

Os incas possuíam para época um sistema moderno de irrigação, a engenharia hidráulica da região é um tesouro arqueológico que está aberto aos turistas. O aqueduto, por ser tão grande e único é constantemente atribuído ao contato com alienígenas, mais uma vez alimentando as teorias da intervenção extraterrestre na região.

Casa Museu Maria Reiche

A Casa Museu reúne informações e estudos das linhas de Nazca, todos realizados pela Dra. Maria Reicha Newman, entre eles estão: mapas, planos e material arqueológico.

O museu funciona na casa da antiga pesquisadora, que viveu por longos anos em uma cabana de condições precárias próxima ao deserto.

Este texto foi escrito por: Gustavo Mazzucchelli

Last modified: fevereiro 25, 2017

Redação Webventure
Redação Webventure