Foto: Pixabay

Barcos pagam pedágio nos Doldrums. Veja outras novidades da Volvo Ocean Race

Redação Webventure/ Vela

Sexta etapa da Volvo Ocean Race é marcada por uma longa passagem dos barcos pelas calmarias

A falta de vento marcou mais um dia de regata da sexta etapa da Volvo Ocean Race 2017-18, percurso entre Hong Kong e Auckland (Nova Zelândia). Os seis barcos que disputam a prova encontram dificuldades para pegar as melhores rajadas e a tendência é que a situação continue por mais dois dias.

Inscreva-se aqui para a Rio City Half Marathon!

 Novo líder nesta terça-feira (20),  o Turn the Tide on Plastic foi o que mais andou nas últimas 24 horas. Na sua cola, mas um pouco mais a oeste do Pacífico, está o team AkzoNobel, da brasileira Martine Grael. Outros dois times estão bem próximos dos líderes: Team Brunel e Sun Hung Kai / Scallywag. Primeiros colocados no campeonato, MAPFRE e Dongfeng Race Team estão mais distantes do pelotão da frente!

Faltam 1.500 milhas náuticas Foto: Jeremie Beyou and Kevin Escoffier/Divulgação

Faltam 1.500 milhas náuticas Foto: Jeremie Beyou and Kevin Escoffier/Divulgação

“Parece que estamos em três matches races diferentes e não sabemos quem vai para as finais, semi-finais ou quem fica com o prêmio de consolação”, disse a comandante do Turn the Tide on Plastic, Dee Caffari.

“Está complicado! Estamos dois dias nesse ritmo, então não tem como dormir’, disse David Witt do Scallywag.

A causa do buraco do vento gigante é uma grande tempestade, chamada de Gita, atualmente situada nano sul da Nova Zelândia que matou os ventos alísios, permitindo que os Doldrums se inchassem em proporções épicas.

Novo líder nesta terça-feira (20), o Turn the Tide on Plastic foi o que mais andou nas últimas 24 horas Foto: Divulgação

Novo líder nesta terça-feira (20), o Turn the Tide on Plastic foi o que mais andou nas últimas 24 horas Foto: Divulgação

Bouwe Bekking, comandante do Team Brunel, acrescentou: “Às vezes pensamos que estamos no melhor esporte que existe, mas em dias como esses, acho que a maioria da equipe pensa que também pode ser um esporte estúpido”.

E ainda faltam 1.500 milhas náuticas para o fim da etapa, que deve ocorrer entre 26 de fevereiro e 1º de março. A falta de vento aumenta o cansaço dos atletas a bordo, pois a todo momento buscam uma melhor rota.

Last modified: fevereiro 21, 2018

Redação Webventure
Redação Webventure